Blog

O empreendedorismo pé-vermelho acaba de ser reforçado

O Founder Institute, programa de aceleração de startups cujos parceiros vão de Evernote a Facebook, chegou a Londrina

Um nômade carioca com sotaque paulista que vez ou outra troca o português pelo inglês: Ravi Gama, administrador de empresas e empreendedor há 11 anos, é o novo coworker do Juntus. Ele é diretor regional do chapter Londrina-Maringá do Founder Institute (F.I.), o maior programa de aceleração de startups do mundo – e isto não é uma hipérbole. 

Fundado em 2009 e baseado no Vale do Silício, o F.I. promove mentoria, treinamento, estrutura e networking global para empreendedores em ascensão. O intuito do programa é, em um semestre, “tirar uma ideia da sua cabeça e colocá-la no papel e em prática depois de um choque de realidade de formação empreendedora”, nas palavras de Ravi. Dez mentores criteriosamente selecionados pela diretoria, que fica nos Estados Unidos, ajudam os participantes neste processo. Atualmente, o F.I. está presente em mais de 150 cidades espalhadas por 60 países. A missão é “globalizar o Vale do Silício”.

Chapter 8: Londrina-Maringá

Em Londrina há dois anos, Ravi afirma que “o Founder quer trazer empreendedores e ideias para um lugar só”. O programa já funciona em sete cidades do Brasil – cada uma delas constitui um chapter: Belo Horizonte, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro e São Paulo. Curitiba, inclusive, é a terceira cidade com maior número de empreendedores formados pelo F.I.

O primeiro passo para viabilizar a existência do programa em uma cidade é encontrar um coworking. “É um espaço colaborativo com um bom conceito e networking intenso. Contatei o Juntus exatamente para isso. São dois lados: o espaço nos autoriza a ficar e também precisamos da aprovação da diretoria. Se aprovado, nos instalamos”, explica Ravi. Em Maringá, um diretor regional também ficará instalado em um coworking.

O chapter Londrina-Maringá está em “fase exploratória”. Isso significa que Ravi e outros diretores do F.I. estão selecionando os mentores e escolhendo os lugares nos quais ocorrerão os pitchs e encontros, sempre às quintas-feiras. A partir daí, será possível se inscrever. Por ora, o lançamento do F.I. em Londrina já tem data: dia 25/05, no 27º Pitch Mais, às 19 horas, no Juntus GO.

“We focus on people”

Abertas as inscrições, qualquer um pode tentar. O processo seletivo é constituído de um DNA assessment, teste psicográfico e de aptidão, para verificar se o candidato tem características empreendedoras. São 200 questões e alguns exercícios de lógica. Não é preciso apresentar uma ideia – o foco do F.I. é no empreendedor em si (“We focus on people”). Ravi diz que “a maioria das pessoas já chega com um plano, mas ele pode mudar durante o programa. Já vimos empreendedores desistirem de uma ideia e se juntarem a outros como sócios. Pode acontecer, contanto que a pessoa compareça a algumas aulas essenciais”.

O que não pode faltar é comprometimento. “É preciso ter dedicação, tempo e esforço. Muita gente desiste. Já vi 40 pessoas se inscreverem e seis se formarem. Algumas pessoas são cortadas pela falta de compromisso, outras desistem quando os mentores dão ideias. Acontece.” Além disso, de acordo com Ravi, alguns cansam porque o F.I. é extenso: são cerca de três meses e meio (no próximo semestre, o programa durará 14 semanas) com encontros semanais e diversos tópicos a percorrer, desde a discussão da ideia até o levantamento de fundos para viabilizar a empresa. O curriculum completo, em inglês, está neste link.

De mãos dadas com os grandes

O Founder Institute é patrocinado e tem parcerias com as maiores empresas do mercado: Facebook, LinkedIn, Evernote, Pipedrive, etc. Algumas
delas investem nas startups formadas pelo programa e concedem benefícios aos empreendedores. Os números atualizados mostram que o F.I. criou mais de 20 mil empregos, arrecadou mais de 550 milhões de dólares e seu portfólio vale cerca de 15 bilhões de dólares.

Todas as informações, inclusive o portfólio do Founder Institute, podem ser encontradas aqui.

blog comments powered by Disqus